Após dilaceradas penitências formou-se esse poema. Tentei fugir do esquema poético e do linguajar metafórico,

mas tinha um amor debaixo das pernas dos meus poemas

e um homem pacato,

adormecido

em seus dilemas.

 

A pele adormecia

da saliva desviava,

o poema  dormia…

 

Mas ainda eu fugia,

do meu esquema

poético

patético

e metalinguístico.

 

Um dia desses juro que solto…

Largo

Fujo

Sigo

 

Uma hora dessas,

desesperado,

num tempo não previsto

eu saio

paro

desisto

 

Uma hora dessas,

CarregoDISCORDIA 2

Corro

Intuo

resisto

 

É que estou tentando fugir do meu esquema

poético

patético

metalinguístico

É que estou tentando fugir do meu esquema

Antes que isso tudo vire uma não-palavra

poética

patética

cética

e

metalinguística.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *